Quantidade de Páginas visitadas

 


Ingresso nos cursos do CEEPPG



Cursos Técnicos Profissionalizantes Integrados ao Ensino Médio (para concluintes do 9º ano do Ensino Fundamental)



O ingresso acontece somente por Processo Classificatório geralmente no mês de setembro ou outubro, conforme instrução normativa da SEED.



Cursos Técnicos Profissionalizantes Subsequentes (destinado a concluíntes do Ensino Médio).



Para ingressar em um dos cursos técnicos oferecidos também há análise de currículo, valendo as maiores notas em Língua Portuguesa e Matemática. Outros fatores também são analisados, tais como: renda familiar e tempo cursado em escola pública.


Os cursos são semestrais, então haverá seleção ao final de cada semestre, seguindo as instruções do Departamento de Trabalho da SEED - Secretaria de Estado da Educação.



Fique atento às notícias do site.



 

Para maiores informações clique sobre o nome do curso.



Ensino Médio Integrado



Técnico Em Alimentos


Técnico Em Eletromecânica



Ensino Subsequente Pós-Medio



Técnico em Segurança do Trabalho


Técnico em Informatica


Técnico em Cozinha


Técnico em Nutriçaõ e dietética


Técnico em Eletromecânica (Em Breve)


Técnico em Eletrotécnica (Em Breve)


Técnico em Serviços de Bar e Restaurante (Em Breve)



Andamento dos processos de Reconhecimento e autorização



Reconhecimento dos Cursos
Curso Resolução Parecer Situação
Informática 3522 DOE 17/10/11 671/11- CEB/CEE Reconhecido
Segurança do Trabalho 3318 DOE 16/09/11 578/11- CEB/CEE Reconhecido
Alimentos Integrado 2086 DOE 10/08/11 307/11- CEB/CEE Autorizado
Cozinha Subsequente 3517 DOE 27/09/11 700/11-CEB/CEE Autorizado
Eletromecânica Integrado 2085 DOE 10/08/11 312/11- CEB/CEE Autorizado
Eletromecânica Subseq     Em processo

Eletrotécnica Subseq     Em processo

Nutrição e Dietética Subsequente 2082 DOE 10/08/11 310/11-CEB/CEE Autorizado

Curso Técnico em Alimentos Integrado


1. Apresentação


2. Coordenação de curso


3. Objetivos


4. Ementas


5. Matriz Curricular



Objetivos



a) Organizar experiências pedagógicas que levem à formação de sujeitos críticos e conscientes, capazes de intervir de maneira responsável na sociedade em que vivem;


b) Oferecer um processo formativo sustentado na educação geral que assegure a integração entre o conhecimento científico e sócio histórico construído pela humanidade e a formação técnica que subsidia os fazeres profissionais;


c) Articular conhecimentos científicos e tecnológicos das áreas naturais e sociais estabelecendo uma abordagem integrada das experiências educativas;


d) Oferecer um conjunto de experiências teórico-práticas na área de alimentação com a finalidade de consolidar o “saber fazer”;


e) Propiciar ao educando aquisição de conhecimento científico através da pedagogia de alternância;


f) Utilizar da prática cotidiana para aplicação de conhecimento científico;


g) Destacar em todo o processo educativo a importância de uma alimentação saudável e do controle dos processos com vista à sustentabilidade ambiental.



Dados Gerais do Curso



a) Habilitação Profissional: Técnico em Alimentos


b) Eixo Tecnológico: Produção Alimentícia


c) Forma: Integrada


d) Carga horária total do curso: 4000 horas/aulas ou 3333 horas aula mais 133 horas de Estágio Profissional Supervisionado


e) Regime de funcionamento: de 2ª a 6ª feira, nos períodos manhã, tarde ou noite


f) Regime de matrícula: anual


g) Número de vagas: 40 por turma


h) Período de integralização do curso: 04 (quatro) anos


i) Requisitos de acesso: conclusão do ensino fundamental


j) Modalidade de oferta: presencial



Perfil Profissional de Conclusão de Curso



O Técnico em Alimentos tem condições de orientar e executar tarefas na transformação, no preparo e na conservação de alimentos, garantindo a melhoria higiênico-sanitária dos alimentos, preservando sua qualidade nutricional. Atua no processamento e conservação de matérias-primas, produtos e subprodutos da indústria alimentícia e de bebidas, realizando análises físico-químicas, microbiológicas e sensoriais. Auxilia no planejamento, coordenação e controle de atividades do setor. Realiza a sanitização das indústrias alimentícias e de bebidas. Controla e corrige desvios nos processos manuais e automatizados. Acompanha a manutenção de equipamentos. Participa do desenvolvimento de novos produtos e processos.



Ementas



1. ANÁLISE DE ALIMENTOS



Carga horária total: 200 h/a - 167 h



EMENTA: Análise Sensorial de Alimentos - histórico, definição e aplicações. Os receptores sensoriais – elementos de avaliação sensorial. Condições para degustação. Amostra e seu preparo. Seleção e treinamento da equipe. Métodos sensoriais. Delineamentos Experimentais e testes estatísticos. Correlação com análises físicas e químicas. Estimativa de vida de prateleira.



CONTEÚDOS:


- Amostragem e preparo de amostras em análise de alimentos;


- Confiabilidade dos resultados;


- Determinação de umidade, cinzas e conteúdo mineral (cálcio, ferro, magnésio, cloreto, nitrito);


- Determinação de nitrogênio e conteúdo protéico;


- Determinação de carboidratos;


- Determinação de lipídeos;


- Determinação de fibra bruta;


- Métodos físicos (densimetria, refratometria, medida de pH);


- Análise sensorial: histórico, importância na indústria de alimentos;


- Os receptores sensoriais - elementos de avaliação sensorial: olfato, gosto, visão, audição e interações sensoriais;


- Seleção e treinamento da equipe: procedimento para seleção, teste de reconhecimento de odores; teste gosto-intensidade;


- Métodos sensoriais: classificação;


- Métodos discriminativos: testes de diferença; comparação pareada; teste triangular; teste duo-trio; comparação múltipla; ordenação;


- Métodos afetivos: comparação pareada, ordenação, escala hedônica, escala de atitude, amostragem e preparo de amostras em análise de alimentos;


- Determinação de umidade: métodos por secagem;


- Determinação de cinzas (total, solúvel e insolúvel);


- Determinação de carboidratos, método de Lane – Eynon;


- Determinação de proteínas – Método de Kjelhdal;


- Determinação de lipídeos: método de Bligh-Dyer;


- Métodos Físicos: densimetria, medida de pH;


- Determinação de vitamina C;


- Determinação de acidez titulável;


- Apresentação do laboratório de análise sensorial;


- Formação dos grupos de trabalho;


- Teste de reconhecimento de gostos e odores;


- Testes de diferença: pareado, duo-trio, triangular;


- Testes de diferença: ordenação e diferença do controle;


- Testes de escala: estruturadas e não estruturadas;


- Testes descritivos: seleção de provadores;


- Testes descritivos: análise final das amostras;


- Testes afetivos: pareado - preferência, ordenação - preferência, escalas hedônicas.



BIBLIOGRAFIA


CECCHI, H. M. Fundamentos teóricos e práticos em análise de alimentos. 1a ed. Editora Unicamp. Campinas- SP. 1999.


NORMAS ANALÍTICAS DO INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 3a ed. Instituto Adolfo Lutz- São Paulo- SP. 1985.


DUTCOSKY, S. D. Análise sensorial de alimentos. Curitiba: Champgnat, 1996, 123 p.


SBCTA. Análise sensorial. Manual: Série Qualidade-PROFIQUA,Campinas: SBCTA, 2000. 127p.



2. ARTE



Carga horária total: 80 h/a - 67 h



EMENTA: Linguagens da Arte: música, teatro, dança e artes visuais. Estrutura morfológica e sintática das diferentes linguagens. História e movimentos das diferentes linguagens. O impacto do desenvolvimento tecnológico na produção, divulgação e conservação de obras de arte.



CONTEÚDOS:


- Linguagens da Arte:


- Música;


- Teatro;


- Dança;


- Artes visuais;


- Música:


- Estrutura morfológica (som, silêncio, recursos expressivos, qualidades sonoras, movimento, imaginação);


- Estrutura sintática (modalidades de organização musical);


- Organização sucessivas de sons e ruídos, linhas ritmicas, melódicas e tímbricas;


- Organizações simultâneas de sons e ruídos, sobreposições rítmicas, melódicas, harmonias, clusters, contraponto, granular, etc.,);


- Estruturas musicais (células, repetições, variações, frases, formas, blocos, etc.);


- Textura sonora (melodias acompanhadas, polifonias, poliritmia, pontilhismo, etc.);


- Estéticas, estilos e gêneros de organização sonora, criação, execução e fruição de músicas;


- Fontes de criação musical (corpo, voz, sons da natureza, sons do cotidiano, paisagens sonoras, instrumentos musicais -acústico, eletroacústico, eletrônicos e novas mídias);


- História da música;


- Impacto da ciência e da tecnologia na criação, produção e difusão da música;


- A interação da música com as outras linguagens da arte;


- A música brasileira: estética, gênero, estilos e influências;


- Teatro:


- Introdução à história do teatro;


- Personagem;


- Expressões corporais, vocais, gestuais e faciais;


- Ação;


- Espaço cênico;


- Representação;


- Sonoplastia, iluminação, cenografia, figurino, caracterização, maquiagem e adereços;


- Jogos teatrais;


- Roteiro;


- Enredo;


- Gêneros;


- Técnicas;


- Dança:


- Movimento corporal;


- Tempo;


- Espaço;


- Ponto de apoio;


- Salto e queda;


- Rotação;


- Formação;


- Deslocamento;


- Sonoplastia;


- Coreografia;


- Gêneros;


- Técnicas;


- Artes Visuais:


- Ponto;


- Linha;


- Superfície;


- Textura;


- Volume;


- Luz;


- Cor;


- Composição figurativa, abstrata, figura-fundo, bidimensional/tridimensional, semelhanças, contrastes, ritmo visual, gêneros e técnicas;


- Transformações e utilização de materiais na produção do objeto de arte: contribuições da química.



BIBLIOGRAFIA


BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes,1992.


BARBOSA, A. M. (org.) Inquietações e mudanças no ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2002.


BENJAMIN, T. Walter. Magia e técnica, arte e política. Obras escolhidas. Vol.1. São Paulo: Brasiliense, 1985.


BOAL, Augusto. Jogos para atores e não atores. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.


BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1991.


KRAMER, S.; LEITE, M.I.F.P. Infância e produção cultural. Campinas: Papirus,1998.


LABAN, Rudolf. Domínio do movimento. São Paulo: Summus, 1978.


MAGALDI, Sábato. Iniciação ao Teatro. São Paulo: Editora Ática, 2004.


MARQUES, I. Dançando na escola. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2005.


MARTIN-BARBERO, Jesus; REY, Germán. Os exercícios do ver: hegemonia audiovisual e ficção televisiva. São Paulo: Senac, 2001.


NETO, Manoel J. de S. (Org.). A (des)construção da Música na Cultura Paranaense. Curitiba: Aos Quatro Ventos, 2004.


OSINSKI, Dulce R. B. Ensino da arte: os pioneiros e a influência estrangeira na arte educação em Curitiba. Curitiba: UFPR, 1998. Dissertação (Mestrado).


OSTROWER, Fayga. Criatividade e Processos de Criação. Petrópolis: Vozes, 1987.


PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. São Paulo: Martins Fontes, 1984.


PEIXOTO, Maria Inês Hamann. Arte e grande público: a distância a ser extinta. Campinas: Autores Associados, 2003. (Coleção polêmicas do nosso tempo, 84).


VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Psicologia da arte. São Paulo: M. Fontes, 1999.


WISNIK, José Miguel. O som e o sentido: uma outra história das músicas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.



3. BIOLOGIA



Carga horária total: 200 h/a - 167 h



EMENTA: Classificação dos seres vivos, componentes celulares e suas respectivas funções. Sistemas que constituem os grupos de seres vivos. Biodiversidade, biotecnologias e genética.



CONTEÚDOS:


- Origem da vida;


- Evolução;


- Formas de organização dos seres vivos;


- Metabolismo, reprodução e adaptação;


- Tipos celulares procariontes e eucariontes;


- Vírus:


- Estrutura morfológica;


- Ciclo de vida;


- Aspectos de interesse sanitário e econômico;


- Reino Monera:


- Estrutura dos moneras;


- Reprodução;


- Nutrição;


- Metabolismo celular energético.


- Fotossíntese.


- Quimiossíntese;


- Respiração;


- Fermentação;


- Controle do metabolismo pelos genes;


- Aspectos históricos e ambientais relacionados às bactérias;


- Doenças causadas por bactérias;


- Emprego na indústria;


- Armas biológicas;


- Reino Protista:


- Reprodução e nutrição;


- Algas e protozoários,


- Aspectos evolutivos;


- Aspectos históricos e ambientais relacionados à descoberta dos protozoários;


- Saneamento básico e meio ambiente: tratamento e abastecimento de água, coleta, destinação e tratamento de esgoto.


- Doenças causadas por protozoários;


- Impactos da ação do homem sobre os “habitats” naturais.


- Reino Fungi:


- Estrutura e organização dos fungos;


- Reprodução e nutrição;


- Tipos de fungos, líquens, emprego nas industrias e aspectos econômicos e ambientais;


- Doenças causadas por fungos;


- Reino Plantae:


- Aspectos evolutivos da classificação das plantas;


- Relações dos seres humanos com os vegetais;


- Desmatamento;


- Agricultura;


- Plantas medicinais;


- Indústria;


- Biopirataria de princípios ativos;


- Reino Animalia:


- Aspectos evolutivos da classificação dos invertebrados e vertebrados;


- Citologia:


- Bioquímica celular;


- Célula e estruturas celulares;


- Osmose;


- Difusão;


- Núcleo e estruturas nucleares – DNA e RNA;


- Síntese de proteínas;


- Mitose e meiose;


- Gametogênese;


- Tipos de reprodução;


- Embriologia:


- Classificação dos animais pelo desenvolvimento embrionário;


- Anexos embrionários;


- Embriologia animal comparada;


- Aspectos da sexualidade humana;


- Substâncias teratogênicas;


- Fertilização in vitro;


- Aborto;


- Histologia:


- Animal e vegetal;


- Principais tipos de tecidos e suas funções;


- Fisiologia e anatomia:


- Principais aspectos do funcionamento dos sistemas e órgãos do corpo humano;


- Ecologia:


- Conceitos básicos;


- Componentes abióticos e bióticos;


- Cadeias e teia alimentar:


- Fluxo de energia e matéria;


- Biosfera;


- Biomas:


- Principais características e implicações ambientais;


- Ecossistema:


- Dinâmica das populações;


- Relações ecológicas:


- Impactos ambientais causados pela indústria da papel e celulose;


- Os resíduos do processo do processo de fabricação e suas causas o meio ambiente;


- Implicações do desequilíbrio ambiental;


- Introdução de espécies exóticas - possíveis invasoras;


- Monocultura florestal e seu impacto ecológico;


- Genética:


- Leis, tipos de herança genética;


- Conceitos básicos da hereditariedade;


- Projeto GENOMA;


- Clonagem;


- Transgênia;


- Bioética;


- Biotecnologia.



BIBLIOGRAFIA


BERNARDES, J. A et al. Sociedade e natureza. In: CUNHA, S. B. da et al. A questão ambiental: diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.


BIZZO, N. Ciência fácil ou difícil? São Paulo: Ática, 2000.


CANHOS, V. P. e VAZOLLER, R. F. (orgs.) Microorganismos e vírus. Vol 1. In:JOLY,C.A. e BICUDO, C.E.M. (orgs.). Biodiversidade do estado de São Paulo, Brasil: síntese do conhecimento ao final do século XX. São Paulo: FAPESP, 1999.


CHASSOT, A. A ciência através dos tempos. São Paulo: Moderna, 2004.


CUNHA, S. B. da e GUERRA, A.J.T. A questão ambiental – diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.


DARWIN, C. A Origem das espécies. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.


FERNANDES, J. A. B. Ensino de ciências: a biologia na disciplina de ciências.Revista da Sociedade Brasileira de Ensino de Biologia, São Paulo, v.1, n.0,ago 2005.


FREIRE-MAIA, N. A ciência por dentro. Petrópolis: Vozes, 1990.


FRIGOTTO, G. et al. Ensino Médio: ciência, cultura e trabalho. Brasília: MEC,


SEMTEC, 2004.


FUTUYMA, D. J. Biologia evolutiva. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Genética/CNPq, 1993.


KRASILCHIK, M.. Prática de ensino de biologia. São Paulo: EDUSP, 2004.


MACHADO, Ângelo. Neuroanatomia Funcional. Rio de Janeiro/São Paulo: Atheneu, 1991.


McMINN, R. M. H. Atlas Colorido de Anatomia Humana. São Paulo: Manole, 1990.


NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.


RAW, I. Aventuras da microbiologia. São Paulo: Hacker Editores/Narrativa Um,2002.


RONAN, C.A. História ilustrada da ciência: A ciência nos séculos XIX e XX. V.4.Rio de Janeiro: Jorga Zahar Editor, 1987.


____________. História ilustrada da ciência: da renascença à revolução


científica. V.3. Rio de Janeiro: Jorga Zahar, 1987.


____________. História ilustrada da ciência: Oriente, Roma e Idade Média.v.2. Rio de Janeiro: Jorga Zahar Editor, 1987.


SELLES, S. E. Entrelaçamentos históricos na terminologia biológica em livros didáticos. In: ROMANOWSKI, J. et al (orgs). Conhecimento local e conhecimento universal: a aula e os campos do conhecimento. Curitiba: Champagnat, 2004.


SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. 21.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.



4. BIOQUÍMICA DE ALIMENTOS



Carga horária total: 280 h/a - 233 h



EMENTA: Conhecimentos fundamentais sobre a estrutura e função dos componentes moleculares das células, as especializações e integrações metabólicas e a importância destes componentes nos alimentos. Bioquímica dos alimentos durante o desenvolvimento, armazenamento e processamento. Principais enzimas utilizadas na indústria de alimentos.



CONTEÚDOS:


- Peptídicas;


- Proteínas: níveis de estrutura e proteínas nos alimentos;


- Carboidratos: classificação, polissacarídeos nos alimentos, polissacarídeos estruturais e de reserva;


- Lipídeos: classificação dos lipídeos;


- Lipídeos nos alimentos;


- Catálise enzimática: nomenclatura; especificidade ao substrato, vitaminas e coenzimas;


- Metabolismo: visão geral das vias metabólicas, catabolismo da glicose, fermentação;


- Tabelas nutricionais;


- Fatores antinutricionais;


- Modificações estruturais das biomoléculas no processamento dos alimentos;


- Aplicações diversas de enzimas em alimentos.



BIBLIOGRAFIA


VOET, D., VOET, J. G. & PRATT, C. W. Fundamentos de Bioquímica. Editora Artes Médicas Sul Ltda, Porto Alegre, 2000, 931 pág.



STRYER, L – Bioquímica, 4ª Ed. Guanabara Koogan, 1996.


LEHNINGER, A L., NELSON, D. L; COX, M.M., Bioquímica, Ed. Sarvier, São Paulo-SP, 1995.


MONTGOMERY, R. CONWAY, T. W., SPECTOR, A A Bioquímica: uma abordagem dirigida por casos. 5. ed. Editora Artes Médicas Sul Ltda., São Paulo, 1994. 477 pág.


Lehninger, A.L., Nelson, D.L., Cox, M.M. 2002. Princípios de Bioquímica. Sarvier editora de livros médicos Ltda.


Lima, U.A., Aquarone, E., Borzani, W., Schimidell, W. 2001. Biotecnologia Industrial. Vol. 3. Processos fermentativos e enzimáticos. Editora Edgard Blücher Ltda.


Salinas, R.D. 2000. Alimentos e Nutrição. Introdução à Bromatologia. Terceira edição. Artmed Editora.


Scriban, R. 1984. Biotecnologia. Editora Manole Ltda.


Sgarbieri, W.C. 1987. Alimentação e Nutrição: Fator de Saúde e Desenvolvimento. Editora Metha Ltda



5. EDUCAÇÃO FÍSICA



Carga horária total: 320 h/a - 267 h



EMENTA: A Educação Física como instrumento de saúde, sociabilidade, formação e expressão de identidades para a cooperação e competitividade. Movimento, força, resistência, equilíbrio, energia, harmonia, ritmo e coordenação através dos diferentes tipos de esportes, ginástica, jogos e danças.



CONTEÚDOS:


- Ginástica geral e de manutenção:


- Ginástica aeróbica;


- Ginástica localizada;


- Ginástica laboral;


- Alongamento;


- Exercícios para a melhoria das qualidades físicas;


- Exercícios de correção postural;


- Avaliação postural;


- Técnicas de relaxamento;


- Percepção corporal (leitura corporal);


- Jogos:


- Cooperativos;


- Dramáticos;


- Lúdicos;


- Intelectivos;


- Esporte:


- Fundamentos técnicos;


- Regras;


- Táticas;


- Análise crítica das regras;


- Origem e história;


- Para quem e a quem serve;


- Modelos de sociedade que os reproduziram;


- Incorporação na sociedade brasileira;


- O esporte como fenômeno cultural;


- O esporte na sociedade capitalista;


- Competições de grande porte: Pan, olimpíada, copa do mundo;


- Massificação do esporte;


- Esportes radicais;


- Lutas;


- Recreação:


- Brincadeiras;


- Gincanas;


- Dança:


- De salão;


- Folclórica;


- Popular;


- Qualidade de vida:


- Higiene e saúde;


- Corpo humano e sexualidade;


- Primeiros socorros;


- Acidentes e doenças do trabalho;


- Caminhadas;


- Alimentação;


- Avaliação calórica dos alimentos;


- Índice de massa corporal;


- Obesidade;


- Bulimia;


- Anorexia;


- Drogas lícitas e ilícitas e suas conseqüências,


- Padrões de beleza e saúde.



BIBLIOGRAFIA


Luiz Cirqueira. As Práticas Corporais e seu Processo de Re-signficação:



apresentado os subprojetos de pesquisa. In: Ana Márcia Silva; Iara Regina


Damiani. (Org.). Práticas Corporais: Gênese de um Movimento Investigativo em Educação Física.. 1 ed. Florianópolis: NAUEMBLU CIÊNCIA & ARTE, 2005.


ASSIS DE OLIVEIRA, Sávio. Reinventando o esporte: possibilidades da prática pedagógica. Campinas: Autores Associados/CBCE, 2001.


BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus, 1984.


BRUHNS, Heloisa Turini. O corpo parceiro e o corpo adversário. Campinas, São Paulo: Papirus,1993.


ESCOBAR, M. O. Cultura corporal na escola: tarefas da educação física. Revista Motrivivência, nº 08, p. 91-100, Florianópolis: Ijuí, 1995.


FALCÃO, J. L. C.. Capoeira. In: KUNZ, E. Didática da Educação Física 1. 3.ed.Ijuí: Unijuí, 2003, p. 55-94.


GEBARA, Ademir. História do Esporte: Novas Abordagens. In: Marcelo Weishaupt Proni; Ricardo de Figueiredo Lucena. (Org.). Esporte História e Sociedade. 1 ed. Campinas: Autores Associados, 2002.


HUIZINGA, Johan. Homo ludens. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva Estudos 42, 1980.


MARCELLINO, Nelson Carvalho. Estudos do lazer: uma introdução. 3ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2002.


OLIVEIRA, Maurício Romeu Ribas & PIRES, Giovani De Lonrezi. O esporte e suas manifestações mídiaticas, novas formas de produção do conhecimento no espaço es








Validador

CSS válido!

Secretaria de Estado da Educação do Paraná
Av. Água Verde, 2140 - Água Verde - CEP 80240-900 Curitiba-PR - Fone: (41) 3340-1500
Desenvolvido pela Celepar - Acesso Restrito